domingo, 5 de junho de 2011

Íntegra do voto do ministro Ayres Britto sobre aplicação de lei mais branda para pequenos crimes de tráfico

26/05/2011 PLENÁRIO

RECURSO EXTRAORDINÁRIO 596.152 SÃO PAULO

V O T O – V I S T A

O SENHOR MINISTRO AYRES BRITTO (RELATOR):

Cuida-se de recurso extraordinário, manejado pelo Ministério
Público Federal, contra acórdão proferido pelo Superior Tribunal de
Justiça. Acórdão assim ementado:
“CONSTITUCIONAL – PENAL – HABEAS CORPUS –
TRÁFICO DE DROGAS – CRIME PRATICADO SOB A ÉGIDE
DA LEI 6.368/1976 – REDUÇÃO DO ARTIGO 33, §4º DA LEI
11.343/2006 – NOVATIO LEGIS IN MELLIUS –
RETROATIVIDADE – IMPERATIVO CONSTITUCIONAL –
ORDEM CONCEDIDA PARA RESTABELECER A DECISÃO
DE PRIMEIRO GRAU. CONCEDIDA ORDEM DE OFÍCIO
PARA SUBSTITUIR A PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE E
ALTERAR SEU REGIME DE CUMPRIMENTO.
1. É imperativa a aplicação retroativa da causa de
diminuição de pena contida no parágrafo 4º do artigo 33 da Lei
11.343/2006 feita sob a pena cominada na Lei 6.368/1976, em
obediência aos comandos constitucional e legal existentes nesse
sentido. Precedentes.
2. Não constitui uma terceira lei a conjugação da Lei
6368/76 com o parágrafo 4º da Lei 11.343/06, não havendo óbice
a essa solução, por se tratar de dispositivo benéfico ao réu e
dentro do princípio que assegura a retroatividade da norma
penal, constituindo-se solução transitória a ser aplicada ao caso
concreto.
3. Ordem concedida para cassar o acórdão do Tribunal a
quo e restabelecer a decisão da Vara de Execuções Criminais de
São Paulo, juntada à f. 17/18, que aplicou retroativamente a
causa de redução.”
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 1216053.
RE 596.152 / SP
2. Pois bem, o Ministério Público Federal entende que a decisão por
ele impugnada ofende o inciso XL do artigo 5º da Constituição Federal de
1988. Daí lembrar a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal
(Extradição nº 925, Plenário) no sentido de que a norma em causa não
autoriza a “combinação das regras mais benignas de dois sistemas
legislativos diversos formando uma terceira lei”. Noutros termos, para
ele, Ministério Público Federal, não é de se dar a “aplicação pinçada e
simultânea de duas leis ao mesmo caso, quando estas se confrontam no
tempo. A medida correta, em tais situações, é a que pugna pela análise
isolada de cada legislação, para que se verifique qual delas se mostra
mais favorável ao réu” (fls. 154 e 156).
3. De parelha com essa interpretação, argui o recorrente ofensa ao
princípio da separação dos Poderes. É que “não cabe ao Judiciário o papel
de legislar, pois, se assim fosse, haveria patente invasão de competência
de um poder no outro, levando ao desequilíbrio o sistema de freios e
contrapesos adotado por nosso Ordenamento Jurídico”. Donde o pedido
de conhecimento e provimento do recurso extraordinário, tendo em vista
a demonstrada repercussão geral da matéria constitucional.
4. Em sede de contra-razões, a Defensoria Pública da União sustenta
que:
I - o acórdão recorrido concedeu a ordem de habeas corpus.
Logo, não é cabível o recurso ordinário de que trata a alínea “a”
do inciso II do artigo 102 da Magna Carta;
II – é de incidir a Súmula 400 do STF, uma vez que a
decisão recorrida deu razoável interpretação à lei;
III - o acórdão adversado nada mais fez do que dar plena
efetividade ao princípio da retroatividade da lei mais benéfica
ao réu (inciso XL do artigo 5º da CF/88);
IV - o julgador “não está criando nada, mas apenas se
utilizando, aplicando ao caso concreto leis federais que
seguiram o processo legislativo constitucional e foram
aprovadas pelo Congresso Nacional”;
V - o magistrado “deve se utilizar do ordenamento
jurídico como um todo, uma vez que esse é sistemático e as leis
2
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 1216053.
RE 596.152 / SP
não existem por si só, mas fazem parte desse ordenamento”.
5. Assim equacionando juridicamente a causa, a Defensoria pugna
pelo não-conhecimento do recurso extraordinário. E quanto ao mérito,
requer o desprovimento do recurso por ausência de contrariedade à
Constituição Federal.
6. Continuo neste relembrar das coisas para pontuar que: a) a
Procuradoria Geral da República opinou pelo provimento do recurso
extraordinário; b) foi reconhecida a repercussão geral da matéria
constitucional suscitada neste apelo extremo, conforme certidão de fls.
206.
7. Dito isso, faço um novo retrospecto dos fatos postos a julgamento:
I – Luís Fernando Penna (recorrido) foi condenado a 03
(três) anos e 04 (quatro) meses de reclusão, em regime fechado,
pelo crime de tráfico de drogas, nos termos do artigo 12 da Lei
6.368/76;
II – com a superveniência da Lei nº 11.343/2006, o Juízo da
Vara de Execuções Criminais da Comarca de São Paulo acolheu
a pretensão defensiva de estender ao acusado a causa de
diminuição de que trata o § 4º do artigo 33 da Lei nº
11.343/2006. Pelo que a reprimenda ficou estabelecida em 1 ano
e 8 meses de reclusão;
III – deu-se que o Tribunal de Justiça paulista acolheu
agravo em execução, interposto pelo Ministério Público. O que
fez para tornar prevalecente o patamar fixado na sentença
originária (ou seja, 3 anos e 4 meses de reclusão);
IV – já o Superior Tribunal de Justiça, esse concedeu a
ordem de habeas corpus impetrado pelo recorrido. Ao fazê-lo,
restabeleceu a decisão do Juízo das Execuções Penais para
permitir ao paciente, ainda uma vez, o gozo da nova causa de
diminuição da pena, criada pela mais recente Lei de Drogas.
8. Avanço para pontuar que o Ministro Ricardo Lewandowski
(relator) votou pelo provimento deste recurso (Sessão do dia 02 de
3
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 1216053.
RE 596.152 / SP
dezembro de 2010). No que foi acompanhado pela Ministra Cármen
Lúcia e pelo Ministro Joaquim Barbosa. Divergiram do relator os
Ministros Cezar Peluso e Dias Toffoli.
9. Bem impressionado com as duas teses que se formaram no início
deste julgamento, pedi vista dos autos para uma análise mais refletida da
matéria. O que me permitiu elaborar o voto que ora trago a julgamento.
10. Muito bem. Anoto que a discussão aberta nestes autos diz com o
tema do conflito intertemporal de leis penais. Mais precisamente, o nosso
desafio é saber se a causa de diminuição de pena, instituída pelo § 4º do
artigo 33 da Lei 11.343/2006, pode, ou não, ser estendida a réus também
condenados pelo crime de tráfico de entorpecentes, porém sob a vigência
da Lei nº 6.368/76.
11. Transcrevo do voto do eminente Relator a procedente anotação
de que “a doutrina sempre esteve dividida em relação a esse tema”. Isso
porque
“[...]
Há quem defenda que a aplicação de tal medida
isoladamente equivaleria à vedada prática de combinar leis,
outorgando ao magistrado competência reservada ao legislador,
com infração aos princípios da legalidade e da separação dos
poderes.
Essa corrente doutrinária argumenta que a conjugação de
lei anterior com legislação posterior, para se extrair de cada
uma delas o que melhor beneficiar o réu, seria totalmente
inadmissível, pois o Poder Judiciário estaria criando uma
terceira lei, invadindo, por consequência, competência
reservada ao Poder Legislativo.
Nesse sentido, o grande jurista Nelson Hungria já
asseverava que:
(...) cumpre advertir que não podem ser entrosados os
dispositivos mais favoráveis da lex nova como os da lei antiga,
de outro modo, estaria o juiz, arvorado em legislador, formando
uma terceira, dissonante no seu hibridismo, de qualquer das leis
4
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 1216053.
RE 596.152 / SP
em jogo. Trata-se de princípio pacífico em doutrina: não pode
haver aplicação combinada de duas leis .
Nessa mesma linha, encontram-se, ainda, Aníbal Bruno,
Heleno Cláudio Fragoso, Jair Leonardo Lopes, Paulo José da
Costa Júnior, Von Lizt, Claus Roxin, entre outros.
Em doutrina mais recente, Eugenio Raul Zaffaroni e José
Henrique Pierangeli adotam, também, posicionamento
contrário à mistura de preceitos legais mais benéficos.
Sustentam que ao juiz é vedada a utilização de preceitos
isolados, pois tal proibição não possui natureza apenas lógica,
que seria em princípio superável, mas também racional, vale
dizer, democrático: o juiz não pode criar uma terceira lei porque
estaria aplicando um texto que, em momento algum, teve vigência.
Há, no entanto, corrente diversa, que admite a combinação
de leis, capitaneada por doutrinadores de renome, tais como
Cezar Bittencourt, Magalhães Noronha, José Frederico
Marques, Francisco de Assis Toledo, Damásio de Jesus e Celso
Delmanto. Invocando o princípio da retroatividade da lei penal
mais benéfica, concluem os citados jurisconsultos pela
possibilidade de uma lex tertia, no intuito de favorecer o réu.
De acordo com essa corrente de pensamento, segundo a
qual quem pode o mais pode o menos, se o juiz pode aplicar a
lei por inteiro, também pode aplicá-la parcialmente. Não se
trataria, portanto, de criação de nova lei, mas segundo o
saudoso José Frederico Marques:
(...) o julgador em obediência a princípios de equidade
consagrados pela própria Constituição, está apenas
movimentando-se dentro dos quadros legais para uma tarefa de
integração perfeitamente legítima. O órgão judiciário não está
tirando ex nihil a regulamentação eclética que deve imperar hic
et nunc . A norma do caso concreto é construída em função de
um princípio constitucional, com o próprio material fornecido
pelo legislador. Se ele pode escolher, para aplicar o mandamento
da Lei Magna, entre duas séries de disposições legais, a que lhe
5
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 1216053.
RE 596.152 / SP
pareça mais benigna, não vemos porque se lhe vede a
combinação de ambas, para assim aplicar, mais retamente, a
Constituição. Se lhe está afeto escolher o todo, para que o réu
tenha o tratamento penal mais favorável e benigno, nada há que
lhe obste selecionar parte de um todo e parte de outro, para
cumprir uma regra constitucional que deve sobrepairar a
pruridos de lógica formal. (...) A verdade é que não estará
retroagindo a lei mais benéfica, se, para evitar-se a transação e o
ecletismo da lei posterior não for aplicada pelo Juiz; e este tem
por missão precípua velar pela Constituição e tornar efetivos os
postulados fundamentais com que ela garante e proclama os
direitos do homem .
Assim, entendem cabível um verdadeiro recorte das
legislações, admitindo que se combine partes de uma lei
anterior com outras de uma lei nova, tudo sob pretexto de
beneficiar o réu.
[...]”
12. Foi diante desse dualismo doutrinário que o STF acabou por se
filiar à corrente que não aceita a conjugação de lei anterior com
dissonante legislação posterior, ainda que para beneficiar o réu ou aquele
já definitivamente condenado. Logo, jurisprudência que inadmite o
imbricamento ou a interpenetração de dispositivos legais que se cruzem
antagonicamente no tempo, porque tal conjugação culminaria por criar
um novo estatuto normativo para reger o caso concreto. E foi assim que
eu mesmo votei, nos autos da Extradição nº 925, julgada por este Tribunal
Pleno, na Sessão de 10/08/2005 (precedente mencionado tanto pelo
Relator quanto pelo recorrente), verbis:
“[...]
55. Ora, ninguém discute a possibilidade da ultraatividade
e da retroatividade da lei penal mais favorável ao
acusado; postulado, esse, insculpido tanto na Constituição da
República do Paraguai (art. 14) quanto na Carta Política
6
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 1216053.
RE 596.152 / SP
brasileira (art. 5º, XL). Todavia, coisa diversa de pinçar o
conjunto mais favorável de normas de Direito Positivo é
arbitrariamente combiná-las para compor um novo modelo
legal. Uma lei imaginária. E a partir desse improvisado mosaico
fazer as vezes de legislador...
[...]
59. Este Supremo Tribunal Federal brasileiro também não
aceita a interpretação combinada de leis no tempo, com a
criação de um terceiro ordenamento só para reger um caso
específico. A propósito, o Recurso Criminal nº 1.381 (RTJ
94/501) o Recurso Criminal nº 1.412 (RTJ 96/547), e o HC 68.416
[da relatoria do Ministro Paulo Brossard], este último assim
ementado:
“HABEAS-CORPUS. "Lex mitior". Execução de
sentença. Livramento condicional. Combinação de normas
que se conflitam no tempo. Princípio da isonomia. O
princípio da retroatividade da "lex mitior", que alberga o
princípio da irretroatividade de lei mais grave, aplica-se
ao processo de execução penal e, por conseqüência, ao
livramento condicional, art. 5., XL, da Constituição
Federal e § único do art. 2º do Código Penal (Lei nº
7.209/84). Os princípios da ultra e da retroatividade da "lex
mitior" não autorizam a combinação de duas normas que
se conflitam no tempo para se extrair uma terceira que
mais beneficie o réu.”
60. O que há de ser feito, então, ante um conflito de leis no
tempo e da impossibilidade da combinação de modelos legais
para resolvê-lo é buscar-se, nos parâmetros de cada caso, qual
das leis em confronto é de ser aplicada em face da sua condição
de maior benignidade.
[...]”
13. Nada obstante, prossegui meditando sobre o tema em discussão
e, hoje, passado algum tempo, alcanço uma compreensão mais elaborada
da matéria. A começar pela consideração de que não se pode perder de
7
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 1216053.
RE 596.152 / SP
vista o caráter individual dos direitos subjetivo-constitucionais em
matéria penal; sabido que o indivíduo é sempre uma realidade única ou
insimilar, irrepetível mesmo na sua compostura anímica e biopsíquica de
microcosmo ou de um universo à parte. Por isso é que todo instituto de
direito penal – crime, pena, prisão, progressão de regime penitenciário,
liberdade provisória, conversão da pena privativa de liberdade em
restritiva de direitos, por exemplo – há de ostentar o timbre da
personalização, quando de sua concreta aplicabilidade. Quero dizer: tudo
tem que ser rigorosamente personalizado na empírica aplicação do
direito penal, porque a própria Constituição é que se deseja assim
individualizadamente concretizada. Atenta, ela, Constituição, ao modo
personalíssimo de o ser humano interagir com as circunstâncias da
infração penal que lhe é imputada.
14. Nesse fluxo de compreensão do tema, penso que a norma do
inciso XL do art. 5º da Lei das leis está a merecer de nossa parte uma
interpretação mais elástica ou tecnicamente “generosa” (falaria o
pranteado Miguel de Seabra Fagundes), na medida em que ela própria
dispõe sobre a não-retroação da lei penal, “salvo para beneficiar o réu”.
Por isso que sustentei, em obra de cunho doutrinário, que a principal
diretriz hermenêutica do cientista e operador do direito é conferir o
máximo de eficácia à Constituição, mormente naqueles dispositivos que
mais nitidamente revelem a identidade ou os traços fisionômicos dela
própria, como é o tópico dos direitos e garantias individuais. Confira-se:
“[...]
5.7.2. A Constituição é norma em sentido material, tem
força normativa própria (KONRAD HESSE) e deve ser
interpretada de acordo com a sua mais alta hierarquia; ou seja,
à lei maior deve corresponder u'a maior eficácia. Exceto se a
própria norma constitucional, inequivocamente, pedir o
adjutório de regra intercalar para a plenificação dos seus
efeitos. Noutros termos, no ápice do dilema entre reconhecer a
pleno-operância de uma norma constitucional e sua
dependência de regração de menor estirpe, a opção do exegeta
8
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 1216053.
RE 596.152 / SP
só pode ser pela operância plena da regra maior.
[...]
5.7.10. Nessa mesma direção, imaginemos uma fundada
hesitação exegética entre ampliar ou restringir a eficácia de uma
norma constitucional que outorgue direito individual oponível
ao Estado. Qual a preferência do intérprete? A preferência é
pelo fortalecimento eficacial da norma, sabido que os direitos e
garantia individuais cumprem o papel técnico e até mesmo
histórico de afirmar o princípio da dignidade da pessoa
humana e assim conter o Poder em certos limites. E a
Democracia política vive é de técnicas restritivas do Poder, ora
diretamente, ora de esguelha, e não de mecanismos
ampliadores das competências governamentais para além dos
estritos limites da necessidade do exercício delas.
[...]”
(“Teoria da Constituição”, Editora Forense, ano de 2003,
pp. 198/200, 1ª tiragem).
15. Prossigo no raciocínio para ajuizar que a Constituição, no
aludido inciso XL do artigo 5º, quando fala de lei penal, está falando, em
rigor, de norma penal (a “norma penal não retroagirá, salvo para beneficiar
o réu”, é como se deve ler). Cada qual dessas normas com o seu instituto
ou figura de direito, ora por inteiro, ora fragmentariamente. É dizer: em
sede de interpretação do encarecido comando que se lê no inciso XL do
seu art. 5º, a Constituição não se refere à lei como um todo unitário de
normas jurídicas, mas se reporta, isto sim, a cada norma penal que se
veicule por dispositivo embutido em qualquer diploma legal. Logo, o
comando constitucional para que a lei não retroaja é pertinente à norma
jurídico-positiva, com uma ressalva: a da imperiosa retroação dessa
norma penal, se mais benéfica ao réu ou a pessoa já penalmente
condenada. Com o que a retroatividade benigna opera de pronto, não por
mérito da lei em que inserida a regra penal assim mais favorável,
porém por mérito da Constituição mesma. Constituição que se põe,
então, como o único fundamento de validade da retroação penal da
norma de maior teor benfazejo. É como dizer: se a benignidade está na
9
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 1216053.
RE 596.152 / SP
regra penal, a retroação eficacial está na Constituição mesma.
16. Deste ponto se infere que a prefalada discussão em torno da
possibilidade, ou, ao contrário, da impossibilidade de mesclar leis que
antagonicamente se sucedem no tempo (para que dessa combinação se
chegue a um terceiro modelo jurídico-positivo) é de se deslocar do
campo da lei para o campo da norma; isto é, não se trata de admitir ou de
não admitir a mesclagem de leis que se sucedem no tempo, mas de aceitar
ou de não aceitar a combinação de normas penais que se friccionem no
tempo quanto aos respectivos comandos. E a se tomar como válido o
juízo técnico de vedação da mescla, então a pergunta que nos cabe fazer é
simplesmente esta: quando se tem uma indevida combinação de modelos
prescritivos em matéria penal? Resposta: o que a nossa Constituição
rechaça é a possibilidade de mistura entre duas normas penais que se
contraponham, no tempo, sobre o mesmo instituto ou figura de direito.
Situação em que há de se fazer uma escolha, e essa escolha tem que recair
é sobre a inteireza da norma comparativamente mais benéfica. Vedandose,
por conseguinte, a fragmentação material do instituto, que não pode
ser regulado, em parte, pela regra mais nova e de mais forte compleição
benéfica, e, de outra parte, pelo que a regra mais velha contenha de mais
benfazejo. Isso equivaleria a criar uma normação extra-legislativa,
puramente imaginária, como se fosse possível colocar um dos pés da
interpretação na canoa mais nova e o outro pé na canoa mais velha para
alcançar um mesmo destino. Proibição, portanto, decorrente do pétreo
esquema constitucional da Separação dos Poderes (inciso I do § 4º do
artigo 60 da CF/88), já antecipadamente formatado pelo artigo 2º da
mesma Lei Republicana, pois ao Poder Judiciário descabe legislar.
17. O que proclama a Constituição, portanto, é a retroatividade
dessa ou daquela figura de direito que, veiculada por norma penal
temporalmente mais nova, se revele ainda mais benfazeja do que a norma
igualmente penal até então vigente. Caso contrário, ou seja, se a norma
penal mais nova consubstanciar política criminal de maior severidade, o
que prospera é a vedação da retroatividade. Equivale a dizer: na hipótese
de maior severidade ou endurecimento da norma penal mais nova, ela
10
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 1216053.
RE 596.152 / SP
revoga, sim, a norma penal mais antiga; que, no entanto, mantém
íntegros os efeitos que já deflagrou ou ainda esteja a deflagrar na esfera
subjetiva de quem protagonizou os fatos por ela descritos como crimes.
É o fenômeno da ultra-atividade eficacial da norma que, embora
revogada, conserva os seus efeitos penais comparativamente mais
benéficos quanto a determinados sujeitos de direitos. Morre a norma
antiga, mas sobrevivem os seus efeitos comparativamente mais
favorecedores de determinada (s) pessoa (s).
18. Em suma, o tema em debate ganha em clareza cognitiva à luz das
figuras constitucionais da ultra-atividade e da retroatividade, não de uma
determinada lei penal em sua inteireza, mas de uma particularizada
norma penal com seu específico instituto. Isto na acepção de que, ali onde
a norma penal mais antiga for também a mais benéfica, o que deve
incidir é o fenômeno da ultra-atividade; ou seja, essa norma penal mais
antiga decai da sua atividade eficacial, porquanto inoperante para reger
casos futuros, mas adquire instantaneamente o atributo da ultraatividade
quanto aos fatos e pessoas por ela regidos ao tempo daquela
sua originária atividade eficacial. Mas ali onde a norma penal mais nova
se revelar mais favorável, o que toma corpo é o fenômeno da
retroatividade do respectivo comando. Com o que ultra-atividade (da
velha norma) e retroatividade (da regra mais recente) não podem ocupar
o mesmo espaço de incidência. Uma figura é repelente da outra, sob
pena de embaralhamento de antagônicos regimes jurídicos de um só e
mesmo instituto ou figura de direito.
19. Nesse contexto, é de se ler a distinção feita por Cezar Roberto
Bittencourt (“Tratado de Direito Penal”. Editora Saraiva. 10ª edição,
páginas 207/208), verbis:
“[...]
A regra geral é a atividade da lei penal no período de sua
vigência. A extra-atividade é exceção a essa regra, que tem
aplicação quando, no conflito intertemporal, se fizer presente
uma norma penal mais benéfica. São espécies dessa atividade
estendida a retroatividade e ultratividade. Esses dois efeitos
11
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 1216053.
RE 596.152 / SP
ocorrem: quando a lei revogada for mais benéfica, ela terá
ultratividade, aplicando-se ao fato cometido durante sua
vigência; no entanto, se a lei revogadora for a mais benigna, esta
será aplicada retroativamente.
[...]”
20. Atento a esses marcos interpretativos, hauridos diretamente da
Constituição Federal de 1988, tenho que o § 4º do artigo 33 da Lei nº
11.343/06 outra coisa não fez senão erigir quatro vetores à categoria de
causa de diminuição de pena para favorecer a figura do pequeno
traficante. Minorante, essa, não objeto de normação anterior. E que, assim
ineditamente positivada, o foi para melhor servir à garantia
constitucional da individualização da reprimenda penal (inciso XLVI do
artigo 5º da CF/88). Mas para melhor servir a essa garantia pelo uso de u'a
mais justa proporcionalidade entre o castigo e as circunstâncias do crime
de tráfico ilícito de entorpecentes em sua empírica perpetração. Confirase:
“§ 4º Nos delitos definidos no caput e no § 1º deste artigo,
as penas poderão ser reduzidas de um sexto a dois terços,
vedada a conversão em penas restritivas de direitos, desde que
o agente seja primário, de bons antecedentes, não se dedique às
atividades criminosas nem integre organização criminosa.”
21. Já alusivamente ao tipo penal ou delito em si do tráfico de
entorpecentes, ele já figurava no artigo 12 da Lei 6.368/76. O ineditismo
regratório, no que interessa a esta causa, deu-se tão-somente quanto à
pena mínima de reclusão, que subiu de 3 para 5 anos. Afora pequenas
alterações redacionais, tudo o mais se manteve substancialmente intacto,
como se pode ver da seguinte comparação:
Lei anterior (6.368/76)
“Art. 12. Importar ou exportar, remeter, preparar,
produzir, fabricar, adquirir, vender, expor à venda ou oferecer,
12
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 1216053.
RE 596.152 / SP
fornecer ainda que gratuitamente, ter em depósito, transportar,
trazer consigo, guardar, prescrever, ministrar ou entregar, de
qualquer forma, a consumo substância entorpecente ou que
determine dependência física ou psíquica, sem autorização ou
em desacordo com determinação legal ou regulamentar;
Pena - Reclusão, de 3 (três) a 15 (quinze) anos, e
pagamento de 50 (cinqüenta) a 360 (trezentos e sessenta) diasmulta.
§ 1º Nas mesmas penas incorre quem, indevidamente:
I - importa ou exporta, remete, produz, fabrica, adquire,
vende, expõe à venda ou oferece, fornece ainda que
gratuitamente, tem em depósito, transporta, traz consigo ou
guarda matéria-prima destinada a preparação de substância
entorpecente ou que determine dependência física ou psíquica;
II - semeia, cultiva ou faz a colheita de plantas destinadas
à preparação de entorpecente ou de substãncia que determine
dependência física ou psíquica.
§ 2º Nas mesmas penas incorre, ainda, quem:
I - induz, instiga ou auxilia alguém a usar entorpecente ou
substância que determine dependência física ou psíquica;
II - utiliza local de que tem a propriedade, posse,
administração, guarda ou vigilância, ou consente que outrem
dele se utilize, ainda que gratuitamente, para uso indevido ou
tráfico ilícito de entorpecente ou de substância que determine
dependência fisica ou psíquica.
III - contribui de qualquer forma para incentivar ou
difundir o uso indevido ou o tráfico ilícito de substância
entorpecente ou que determine dependência física ou psíquica”
Lei nova (11.343/2006)
“Art. 33. Importar, exportar, remeter, preparar, produzir,
fabricar, adquirir, vender, expor à venda, oferecer, ter em
depósito, transportar, trazer consigo, guardar, prescrever,
ministrar, entregar a consumo ou fornecer drogas, ainda que
gratuitamente, sem autorização ou em desacordo com
13
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 1216053.
RE 596.152 / SP
determinação legal ou regulamentar:
Pena - reclusão de 5 (cinco) a 15 (quinze) anos e
pagamento de 500 (quinhentos) a 1.500 (mil e quinhentos)
dias-multa.
§ 1o Nas mesmas penas incorre quem:
I - importa, exporta, remete, produz, fabrica, adquire,
vende, expõe à venda, oferece, fornece, tem em depósito,
transporta, traz consigo ou guarda, ainda que gratuitamente,
sem autorização ou em desacordo com determinação legal ou
regulamentar, matéria-prima, insumo ou produto químico
destinado à preparação de drogas;
II - semeia, cultiva ou faz a colheita, sem autorização ou
em desacordo com determinação legal ou regulamentar, de
plantas que se constituam em matéria-prima para a preparação
de drogas;
III - utiliza local ou bem de qualquer natureza de que tem
a propriedade, posse, administração, guarda ou vigilância, ou
consente que outrem dele se utilize, ainda que gratuitamente,
sem autorização ou em desacordo com determinação legal ou
regulamentar, para o tráfico ilícito de drogas.
[...]
§ 4o Nos delitos definidos no caput e no § 1o deste artigo,
as penas poderão ser reduzidas de um sexto a dois terços,
vedada a conversão em penas restritivas de direitos, desde que
o agente seja primário, de bons antecedentes, não se dedique às
atividades criminosas nem integre organização criminosa”
22. Fácil notar, então, que, no plano do agravamento da pena de
reclusão, a regra mais nova não tem como retro-incidir. Sendo (como de
fato é) constitutiva de política criminal mais drástica, a nova regra cede
espaço ao comando da norma penal de maior teor de benignidade, que é
justamente aquela mais recuada no tempo: o artigo 12 da Lei nº 6.368/76,
a incidir por ultra-atividade.
23. Não é o que sucede com o novidadeiro instituto da minorante,
que, por força mesma do seu ineditismo, não se contrapõe a nenhuma
anterior regra penal. Lógico! Daí poder incidir tão imediata quanto
14
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 1216053.
RE 596.152 / SP
solitariamente, nos exatos termos do inciso XL do artigo 5º da
Constituição Federal. O que afasta, de plano, qualquer eiva ou mácula de
combinação indevida de normas penais para compor uma terceira e
imaginária regra penal sobre um mesmo instituto. Afinal, como combinar
regra nova com uma inexistente norma velha? Impossível! O que de
pronto afasta qualquer ofensa ao princípio da Separação dos Poderes,
pois não houve, por nenhuma, forma usurpação de competência
legislativa pelo Poder Judiciário.
24. Enfim, e pelo menos em linhas gerais, outro não é outro o
entendimento do Ministro Cezar Peluso, que assim votou no julgamento
do HC 95.435 (Segunda Turma):
“[...]
Centra-se a questão em apurar, nos contornos do caso, o
alcance do princípio da retroatividade da lei penal mais
benéfica. É que, ao mesmo tempo em que introduziu causa de
diminuição da pena para o delito de tráfico de entorpecentes, a
nova lei de tóxicos lhe aumentou a pena mínima e proibiu a
aplicação de diversos institutos.
Resta saber, pois, se é lícita a aplicação isolada da causa de
diminuição de pena aos delitos cometidos sob a égide da lei
antiga, tendo por base as penas então cominadas.
[...]
Aplicar a causa de diminuição não significa baralhar e
confundir normas. Tal causa pode aplicada às inteiras, sem
criação jurisdicional de instituto que componha requisitos de
uma e de outra lei.
[...]
Nem se objete que a causa de diminuição seja dirigida
somente ao caput da norma. Refere-se, na verdade, às condutas
nele descritas, as quais já eram como tais tipificadas, em grande
parte, na lei revogada.
Deve-se, ademais, atentar na finalidade e na ratio do
princípio, para correta resposta à questão.
Tiro da manifestação do Deputado Paulo Pimenta, relator
15
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 1216053.
RE 596.152 / SP
para o PLS nº 115/2002 (que deu origem à Lei nº 11.343/2006),
na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da
Câmara dos Deputados, ao exarar parecer, em 10 de fevereiro
de 2004:
“Não nos olvidamos da diferença existente entre
pequenos e grandes traficantes. Por isso, mantivemos uma
causa especial de diminuição da pena para o agente que
seja primário e de bons antecedentes e cuja conduta se
caracterize por ausência de habitualidade e caráter não
profissional”.
Daí se vê que não há como repudiar a aplicabilidade da
causa de diminuição também a situações anteriores, pois foi
essa nova valoração da conduta menos perigosa daquele que se
convencionou chamar de “pequeno traficante”, em oposição ao
“grande traficante”, que lhe motivou a previsão legal. O
propósito claro da lei foi punir de maneira menos severa
pessoas nas condições nela disciplinadas, sem nenhuma
correlação, por si, com as novas penas aplicáveis ou aplicadas.
[...]
Não considero, portanto, que a aplicação da nova lei à
pena fixada com base na lei antiga signifique criação de norma.
O que ocorre é só a aplicação do princípio da retroatividade da
lei mais benéfica.
[...]
4. Com essas considerações, data venia da Ministra
Relatora, concedo a ordem de habeas corpus.
[...]”
25. Já me encaminhando para o desfecho deste voto, ajuízo que
eventual alegação de ofensa ao princípio da isonomia também não resiste
a uma análise mais detida. É que, já dissemos, a retroatividade benigna
opera por mérito da Constituição mesma (do inciso XL do artigo 5º da
CF/88), que se coloca, então, como o único fundamento de validade da
retroação penal da norma de teor mais favorável. E se a vontade objetiva
16
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 1216053.
RE 596.152 / SP
da Constituição é essa – desde a sua redação originária, acresça-se –,
descabe sequer cogitar de ofensa a esse ou aquele princípio igualmente
constitucional. Afinal, a Constituição originária é a consubstanciação do
poder que tudo pode, no campo da positividade jurídica, pois desconhece
tabus materiais e contra seus dispositivos não cabe nenhum juízo de
validade.
26. Por tudo quanto posto, peço vênia ao Ministro Ricardo
Lewandowski e aos Ministros que o acompanharam, para negar, como de
fato nego, provimento ao recurso extraordinário. Acompanho, com estes
fundamentos, a conclusão do voto proferido pelo Ministro Cezar Peluso.
27. É como voto.
* * * * * * * * * *
17
Supremo Tribunal Federal
Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/ sob o número 1216053.

Nenhum comentário:

Postar um comentário