sábado, 2 de junho de 2012

Acusados de matar homossexual são condenados a mais de 15 anos


Foram condenados a mais de 15 anos de reclusão, em regime fechado, João Ferreira da Silva e Thiago Mendes Santos, acusados de homicídio duplamente qualificado contra Janderson Carlos de Oliveira. A sentença foi proferida pelo 2º Tribunal do Júri de Goiânia, presidido pela juíza Maria Socorro de Sousa, no fim da noite de quinta-feira (31).
Conforme denúncia do Ministério Público, no dia 31 de julho de 2009, por volta das 20 horas, na casa de Janderson, no setor Universitário, Thiago utilizou-se de um pedaço de pau para bater na cabeça da vítima, que tinha os pés e as mãos amarrados na cama. Em seguida, João envolveu o pescoço de Janderson com uma colcha e uma calça, além de colocar uma camiseta na boca dele com intenção de sufocá-lo. Os condenados fugiram do local e o corpo da vítima foi encontrado pela família dois dias depois, já em fase de decomposição.
Ao dosar a pena, considerou-se que os réus são pessoas dissimuladas, com condutas conturbadas e Thiago, inclusive, é portador transtorno mental com personalidade agressiva quando não toma regularmente os medicamentos necessários. A pena aplicada a João é de 17 anos e 9 meses, enquanto para Thiago é de 15 anos e 2 meses, pois tinha menos que 21 anos de idade na época do fato.
Entenda o caso
Segundo os autos, Janderson conheceu João aproximadamente 20 dias antes do crime, por meio de um site de bate-papo, onde após várias conversas, reveleram-se homossexuais. Uma semana antes do crime, os dois mantiveram relações sexuais na casa da vítima. João, que se encontrava em uma união heterossexual, mantinha uma relação extraconjugal com Thiago, que recebia quantias de dinheiro pelos encontros.
Ainda segundo relatos, no dia do fato, a vítima convidou João para sua casa e este levou Thiago junto. Enquanto Janderson e João realizavam uma fantasia sexual, onde a vítima ficava amarrada na cama, Thiago entrou repentinamente e iniciou uma discussão com o outro acusado. Ao exigir respeito e ordem em sua casa, a vítima foi atacada com um pedaço de pau que era usado na fantasia, o que resultou em sua morte por traumatismo crânio-encefálico. (Texto: Carolina Diniz - estagiária do Centro de Comunicação Social do TJGO)

Nenhum comentário:

Postar um comentário